Amadeu deixa clubes esperando e vai ao Rio e o Botafogo defende o que não aceita

Teríamos que ter estômago de camarão para compreender as posições da cúpula da Federação Paraibana de Futebol (FPF) e do todo-poderoso Botafogo da Paraíba.

Amadeu Rodrigues, que ocupa a presidência da FPF, adiou a segunda reunião que aconteceria com os dez participantes do Paraibano de 2018 porque viajará ao Rio de Janeiro para defender os interesses de Treze e Botafogo junto à CBF no Rio – o que é correto e justo. Mas adiar a reunião com os clubes paraibanos em uma semana, correndo o risco de termos mais incertezas quanto a calendário, datas etc. é abusar do poder funcional que detém.

Por outro lado, o Botafogo, segundo a crônica esportiva paraibana, declara por meio do diretor de futebol Chico Sales que não vê nenhum problema em as semifinais e finais do Nordestão acontecerem simultaneamente com a realização da Copa do Mundo da Rússia.

Mas na reunião do arbitral do campeonato estadual o Botafogo alega problema de calendário para defender apenas 13 datas e não 18.

Mesma perlenga com a modalidade pontos corridos. O Botafogo já se posicionou favorável a esse regulamento para a Série C do Brasileirão, mas é contra para o Campeonato Paraibano.

O papagaio do meu vizinho cantarolou que essas contradições ocorrem por dois motivos:

1) O Botafogo sabe que nunca passa da fase de grupos do Nordestão;

2) O Belo não teria árbitros para manipular todos os jogos de um estadual por pontos corridos; no sistema mata-mata é mais fácil disfarçar erros.

Que papagaio maldoso!