A terceira lâmina (1): coluna semanal do Garotão

  • garotao 

Havia um tempo não escrevíamos para o Blog do Garotão. Mas tudo passa, inclusive as noites mais escuras. E como diria Zé Ramalho, “acho que os anos / Irão se passar / Com aquela certeza / Que teremos no olho / Novamente a ideia / De sairmos do poço […]”.

Coluna semana do Garotão

Começando por antes do início

No extracampo, conquanto em relação a campo para treino, o Sousa viveu uma pré-temporada com mais do mesmo: um êxodo de sua “casa” motivado pelo manutenção e melhoria do “tapete” do Estádio Municipal Gov. Antonio Mariz – Marizão.

Como sempre, tivemos uma avalanche de cobranças e críticas e, para a felicidade de todos, o escritor Fernando Sabino tinha razão: “No fim tudo dá certo, e se não deu certo é porque ainda não chegou ao fim”.

Reforma e reinauguração

O Secretário de Esportes do Município de Sousa, Delano Ferreira, informou à Resenha do Garotão que dia 26 de janeiro haverá solenidade de reinauguração do Marizão, embora o Sousa jogue pelo Estadual 2019 neste domingo (13).

A formação do staff

A diretoria do Sousa Esporte Clube optou por renovar com o treinador Jazon Vieira, último comandante técnico do Dinossauro (em 2018). Jazon retorna pela terceira vez ao Sousa e regressa com o respaldo do ótimo desempenho em 2018. E agora com a oportunidade de iniciar um trabalho desde o seu planejamento.

Adriano dos Santos é novidade trazida pelo Sousa para os ares paraibanos. O profissional da educação física tem feito os atletas respirar uma preparação intensa, apesar dos percalços na pré-temporada.

Os goleiros estão por conta do competente Valmir Filho (Fia), cria da casa e que agora reencontra o goleiro Ricardo01Paredão, campeão em 2009 com o Sousa e ex-aluno do Prof. Fia.

O auxiliar técnico é o Netinho, ex-zagueiro do Sousa e que já havia trabalhado com o Dino em outras temporadas. Com a supervisão do Rafael Okara e a gerência do campeão Fael Abrantes, estão dando conta do recado.

Sousa impecável em organização

O Guerreiro Aldeone Abrantes finalmente conseguiu orquestrar um início de campeonato com um departamento de marketing operante, eficiente e eficaz. O desafio será manter-se efetivo.

Nesta área do traçado, o Sousa resgatou patrocinadores másters, renovou com outras marcas locais e reacendeu ainda mais a já reluzente credibilidade do único sertanejo bicampeão estadual da Paraíba e primeiro campão da Copa Paraíba.

E o time?

Sem medo de errar: raramente encontramos um Sousa tão estruturado para uma primeira rodada de Campeonato Paraibano.

Não existe liga ainda, não. Um mês de treinos é insuficiente para entrosar atletas que nunca atuaram juntos. Arriscamos anotar que o elenco do Sousa mal conhece os atalhos do Marizão, pois uma semana de treinos naquela praça é quase uma carreira (um pega).

Mas acreditamos que o Dinossauro vem forte.

Detalhe nada

Vale o registro. A formação dos grupos A e B para as disputas do estadual, que consideraria o ranking da CBF – no qual Botafogo, Treze, Campinense e Sousa deveriam ficar distribuídos em dois a dois para cada grupo – não considerou se quer a lógica mais simplista. Pelo contrário, pareceu-nos mais uma peça a ser investigada pelos meios de comunicação de veiculação nacional (a exemplo do que foi o escândalo do apito).

No Grupo A ficaram: Botafogo, Nacional, Serrano, Sousa e Treze.

No Grupo B: Atlético, Campinense, CSP, Esporte e Perilima.

Claro que esta Perilima não é a tradicional do Sr. Pedro Lima. Mas para o Sousa ser campeão estadual terá que desbancar Botafogo ou Treze na fase de pontos corridos de grupo contra grupo e depois na semifinal, eventualmente, Botafogo ou Treze – pois os cruzamentos [se não estamos enganados] será entre os classificados nos próprios grupos.

E no grupo do Sousa, além dos poderosos Botafogo e Treze, ainda temos o forte sertanejo Nacional e o Serrano de Campina Grande.

Parece-nos mudaram apenas a sela, o jumentinho continua o mesmo Campeonato Paraibano!

A frase da semana

“Sousa e Campinense será o jogo da tática” (Aldeone Abrantes).