O “kunismós” da FPF poderá derrubar a Dona Florinda?

  • garotao 

Roberto Gomes Bolános inspirou-se em Diógenes, personagem ícone da escola cínica, para criar o Chaves, que assim como o Otamar Almeida na fraude do Serrano de Campina Grande, insistia em repetir “foi sem querer querendo”.

Não é brincadeira o que escrevemos. Após tomar um Toragesic para a senil e amiga dor renal que se apresenta em latejos de aprendizagem, resolvemos pontuar o que se passa na Federação Paraibana de Futebol sob o véu de uma falácia que, certamente, tem feito a deposta Dra. Rosilene Gomes sorrir com o tempo.

Capítulo 01 – Pediu afastamento “sem querer querendo”

O presidente do Serrano, o Lobo da Serra, o Sr. Otamar Almeida, foi denunciado pelo portal Globo Esporte PB – a informação corria solta nos bastidores – por acumular a presidência do Lobo da Serra e um cargo na Federação Paraibana de Futebol.

Em tempo: O Sr. Otamar Almeida foi delegado do jogo Sousa 1 x 1 Campinense na primeira rodada do Estadual em 2019 e dedurou acontecimentos contestados como mentiras pelo Dinossauro.

O dirigente alegou ter pedido afastamento do Serrano ainda em 2018.

Capítulo 02 – Inscreveu atletas “sem querer querendo”

Além de ferir a legislação desportiva (artigo 16 do estatuto da FPF e a Lei Pelé, segundo o Treze) pelo acúmulo da presidência do Serrano e de uma diretoria na Federação Paraibana de Futebol, o Sr. Otamar Almeida assinou contratos empregados na inscrição de atletas do Lobo da Serra para o Paraibano 2019.

O dirigente alegou que um servidor do Serrano usou a sua assinatura eletrônica.

Capítulo 03 – A inércia da FPF foi “sem querer querendo”

A Federação Paraibana de Futebol da Dra. Michelle Ramalho, após as denúncias da imprensa e da apagada repercussão na imprensa marrom de João Pessoa e Campina Grande, nada fez para apurar os indícios de ilícitos praticados pelo aliado de primeira hora Sr. Otamar Almeida.

Capítulo 04 – O Treze denuncia o escândalo ao STJD

O Galo de Campina Grande não tremeu ante o Lobo da Serra (e nem poderia!) e denunciou o cumpliciado caso “Sr. Otamar Almeida x Serrano x Diretoria FPF” ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) – uma vez que na Paraíba parece não haver um ser humano competente para conter as barbáries dos clubes poderosos de João Pessoa e Campina Grande e integrar um Tribunal de Justiça Desportiva local.

Capítulo 05 – Dra. Michele Ramalho instaura inquérito “sem querer querendo”

Neste ponto da discussão temos traços de comédia.

Somente após a denúncia do Treze ao STJD, a Federação Paraibana de Futebol resolveu instaurar um inquérito administrativo para apurar as denúncias contra o aliado de primeira hora Sr. Otamar Almeida.

Hilário que na Comissão criada pela Portaria 001 de 31 de janeiro de 2019, instaurando Inquérito Administrativo 001/2019, temos um dirigente do Internacional-PB em sua constituição: a velha raposa do futebol o Sr. Raimundo Tassiano Neves Gadelha.

Ops!!! Na presidência ou não do Internacional, o Sr. Raimundo Tassiano é, no mínimo, suspeito para julgar o caso do Sr. Otamar Almeida.

Não precisamos de um QI elevado para sacar a manobra da ainda presidente da Federação Paraibana de Futebol. Mas fica uma pergunta:

“O STJD vai deixar em banho-maria a denúncia do Treze contra o Serrano e o Sr. Otamar?”.

Tem “kunismós” na Federação Paraibana de Futebol?

O Prof. Mário Sérgio Cortella lembra que a palavra cinismo, do grego “kunismós”, deriva de cão, “kunós”, e ilustra que um cachorrinho, assim como o Chaves do Bolános, é capaz de pegar comida da mesa, por exemplo, sem que ninguém o veja e depois fazer cara de pidão inocente.

Ainda bem que a Dona Florinda é a mãe do Kiko. Adotasse, ela, o Chaves e a queda seria certa.

Aguardemos os próximos capítulos.

Do Blog do Garotão / pelo Garotão